sábado, 10 de março de 2012

Nunca fui boa em descrever coisas...

Olhando para o azul mais azul que existe,
tantas coisas passam na minha cabeça

e é como se fosse uma música:

"Till human voices wake us, and we drown."*

sempre na minha cabeça

o azul mais azul que existe
para nos afundar

vou rezar para que ninguém te acorde

azul

continue me olhando, sem piscar

azul

sem piscar...

nunca feche os olhos,
e tente flutuar.



*The Love Song of J. Alfred Prufrock, T.S. Eliot

2 comentários:

Davi Machado disse...

Ah Eliot!
gostei muito do teu poema!

já leu Os Homens Ocos? creio que vá gostar!
abraço!

Andressa m disse...

Já li sim... gosto muito deste! Gosto bastante de Eliot, hehe, como eu já disse, é como música...

Obrigada pelo comentário!